O que é a peregrinação de Shikoku Henro?

A rota de peregrinação de Shikoku, também chamada “O-Shikoku”, é uma das poucas jornadas em forma circular do mundo. Inclui 88 templos oficiais e outros numerosos lugares sagrados onde se crê que Kukai (Kobo Daishi) ficou em retiro ou passou algum tempo durante o século IX. Como ocorre em outras rotas religiosas como Caminho de Santiago, os participantes vão colecionando carimbos em cada etapa. Se a rota for feita a pé, o trajeto aproximado é de 1.400 quilômetros. No total se percorre cerca de 40 localidades (a ordem dos monumentos estão em sentido horário), o que permitirá apreciar o abundante entorno natural de Shikoku e o brindará com numerosas oportunidades de interagir com os habitantes locais. Além disso, esta peregrinação lhe dá a oportunidade de refletir sobre a própria vida e mudá-la para melhor.

As motivações para fazer esta peregrinação são variadas, por exemplo, alguns vão por motivos religiosos, outros em busca de cura, para pedir proteção ou em memória de entes queridos que já se foram. Também há pessoas que vão simplesmente para fugir da agitação do dia a dia, outros para fazer turismo e  tem aqueles que vão em busca de si mesmo e de reflexão. Nos dias atuais, geralmente é realizada como uma jornada de cura. Além do mais, Shikoku é a ilha com maior número de power spots (locais carregados de energia espiritual positiva).

História

A primeira referencia à peregrinação de Shikoku aparece em documentos que datam do século XII, porém não são mencionados templos específicos nem rotas. Esta peregrinação que compreende a visita a 88 templos foi formada entre o final do século XVI e o século XVII. Atualmente com o desenvolvimento das vias de comunicação, aumentou o número de pessoas que realizam a peregrinação de carro e ônibus, mas tem aumentado também o número de pessoas que realizam a jornada a pé.

Kobo Daishi (Kukai)

Ele é uma das figuras mais conhecidas da história japonesa, ao qual se atribui muitas grandes façanhas. Em todo Japão você pode ouvir o seu nome e visitar os muitos lugares que se diz que ele esteve durante sua vida. Ele se tornou o oitavo patriarca do budismo Shingon e difundiu ativamente os ensinamentos desta nova ramificação do budismo no Japão. Diz-se também que ele iniciou a peregrinação de Shikoku e assim, atualmente as pessoas creêm que esta rota é uma viagem que segue suas pegadas. Frequentemente ele é chamado pelo termo familiar “O-Daishi-san”, que demonstra o quanto ele está perto do coração das pessoas.

Dougyo Ninin

“Dougyo Ninin” é uma das palavras que caracterizam a peregrinação de Shikoku e significa que durante o trajeto, o mestre (monje Kobo Daishi ou Kukai) estará acompanhando. Em comparação com outras peregrinações, esta tem um forte sentido de esforço em busca de iluminação.

A importância de Koyasan

A montanha Koya (800 metros) está localizada na prefeitura de Wakayama e é a sede da ramificação Shingon do budismo no Japão e onde acredita-se que morreu Kukai (Kobo Daishi). A cidade tem uma população aproximada de 3.000 pessoas e mais de 100 templos, muitos dos quais oferecem alojamento para os visitantes. Muitos peregrinos vêm para pedir proteção a Kobo Daishi antes de começar a jornada de Shikoku e outros vêm para agradecer o apoio depois de completar o caminho.

Vestimenta especial para realizar a peregrinação de Shikoku:

Não é necessário usar todos os itens mencionados, que podem ser adquiridos em vários templos durante a peregrinação, mas é o estilo tradicional de se vestir.

Recomendamos que se use no mínimo o avental branco e o bastão. Desta forma os habitantes locais o reconhecerão, darão as boas-vindas e o ajudarão no que for possível durante a peregrinação. Além disso você terá maior oportunidade de falar com eles.

1) Sugegasa / chapéu tradicional de bambú com bico
Usado para proteger-se do sol e da chuva. Não é necessário tirar no momento de entrar nos lugares sagrados ou para falar com as pessoas do templo.
2) Hakui o Hakue / Avental branco
A roupa branca usada pelos peregrinos representa a pureza e a inocência. Porém, no passado significava uma mortalha, simbolizando que o peregrino estava preparado para morrer a qualquer momento.
3) Juzu/ Rosário
Este é um objeto religioso muito familiar para os japoneses. Dizem que segurando-o entre suas mãos unidas, as ilusões de sua mente desaparecem e a boa sorte te cobrirá.
4) Jirei / Sino
Para fazer soar no momento de recitar as sutras.
5) Zudabukuro / Bolsa
Onde se levam itens como velas, incenso, nome, livro de peregrinação, etc.
6) Wagesa / Estola
Peça que pode ser usada de forma informal ao redor do pescoço.
7) Kongozue / Bastão de peregrino
Dizem que o bastão é a reencarnação de Kobo Daishi, que guia a peregrinação. Formalmente, foi usado como marcador de sepultura dos peregrinos que passaram para a outra vida enquanto faziam a peregrinação.
8) Osamefuda / Cartões votivos
Nele se escreve seu nome, endereço, a data, o seu desejo e deposita-se na caixa de votos da sala principal do salão Daishi. Entrega-se também para pessoas que lhe deram presentes ou algum tipo de ajuda.
9) Nokyocho o Shuincho / Livro de carimbos
Esta é a prova de que visitou cada templo. Leve ao escritório de administração de cada templo para receber o carimbo no local apropriado.

Etiqueta recomendada no templo:

  1. Entrada principal: fazer uma reverência em frente à porta.
  2. Lavatório: lavar as mãos (primeiro a esquerda e depois a direita) e enxaguar a boca.
  3. Campanário: com o “wagesa” no pescoço e o “juzu” nas mãos, tocar o sino uma vez. É de mau agouro tocar na saída do templo. Nota: alguns templos tem horários específicos para tocar o sino.
  4. Sala principal: colocar seus dados e/ou desejos no “osamefuda” e depositar na caixa apropriada. Se possuir alguma sutra escrita depositar na respectiva caixa.
    ★Sutra: são na maioria discursos dados por Buda a algum de seus discípulos mais próximos.
  5. Acender 3 palitos de incenso e uma vela. Se quiser, deixar uma doação na caixa de oferendas.
  6. Com as mãos unidas, recitar ou ler as sutras dedicadas a Buda e Odaishi.
  7. Salão Daishi: repetir o procedimento de 4 a 6..
  8. Escritório de administração: aqui se conseguem os carimbos e assinaturas de cada templo (¥300 cada)

Diferentes formas de fazer a peregrinação de Shikoku:

Há muitas maneiras de fazer a peregrinação, dependendo do tempo, condição física e econômica de cada pessoa.

  • A pé: leva aproximadamente 6 semanas (30km por dia). Esta é a forma tradicional, mas que requer mais tempo e dinheiro.
  • De ônibus: leva aproximadamente de 9 a 12 dias. Há uma grande variedade de empresas de ônibus que oferecem esta rota, que é acompanhada por um guia oficial (sendatsu).
    ★Atualmente este serviço de ônibus é oferecido apenas em japonês.
  • De carro: leva aproximadamente 10 dias. É possível alugar um automóvel nas estações mais próximas ao aeroporto.
  • Outras formas: utilizando bicicleta ou moto, usando uma combinação de transporte público (trem, ônibus, etc.) e caminhando.

O que aprendi com a peregrinação de Shikoku

Texto: Ryoichi Yokoyama

Esta peregrinação é como uma viagem de renascimento. Enquanto andamos por um caminho que parece não ter fim, percebemos o quão pequenos e insignificantes nós somos. Desta forma, entendemos a importância da compaixão pelos outros.

Se você estiver interessado e quiser participar, visite a página a seguir. http://guiadojapao.com/tours-unicos/rota-shikoku-henro-parte-i/